31 de jan de 2012

puerilidades

Outro tipo de intervenção que, embora não tão absurdo quanto o puro e simples alopramento que comentei aqui, é aquele que troca seis por meia dúzia - ou melhor, em minha opinião, por três ou quatro.

Ainda no livro de John Boyne, na página seguinte, o narrador comenta que, no século XIX, imperícias médicas eram usuais no interior da Rússia, que volta e meia as mães morriam no parto, que não era coisa incomum na época. Mas: "Hoje, seria algo inesperado e motivo de ação judicial" (Today, it would be unexpected and worthy of litigation). Acho que está bom, correto, passa.

Saiu: "Hoje, seria algo inesperado e processo na certa". Parece meio gíria, um coloquial meio datado, mas vá lá - embora, a rigor, worthy esteja longe de assegurar a certeza de qualquer coisa, "processo na certa" até pode passar mais ou menos a ideia da coisa. Só que eu jamais traduziria assim e jamais forçaria a barra seja no coloquialismo, seja na taxatividade da afirmação.

Em suma, não me reconheço nisso. Foi uma miudeza boba e pueril da revisão, que acabou destoando do tom geral do livro, e é mais um exemplo de minhas razões para ficar com o pé atrás com esse tipo de intervenção.*

*No caso deste livro, parece que depois da segunda ou terceira página felizmente a revisão se cansou e não mexeu em mais nada.

alopramentos



Já comentei aqui algumas gafes fragorosas que cometi e das quais só me dei conta depois de publicado o livro. Em Lendo Walden também comento algumas divertidas e que deixam a gente meio envergonhada.

Agora vou comentar algumas gafes fragorosas que a revisão cometeu, tendo me atropelado no processo. Uma das mais espantosas está em O palácio de inverno, de John Boyne. O livro começa descrevendo uma isbá miserável, perdida nas estepes russas. A família de camponeses semifeudais é pobre, pobre feito Jó. Como o narrador vai comentar à frente, a isbá tinha um aposento só, onde a mãe e as irmãs preparavam a comida num fogãozinho a lenha, e todos comiam e dormiam no mesmo local, nuns amontoados de palha no chão.

Logo no começo, o narrador fala do pai: "ele se engasgava, tossia e cuspia o catarro no fogo que ardia em nosso fogãozinho" (he choked and coughed and spat his phlegm into the fire burning in our small stove). Ok. A própria editora encarregada do livro fez suas marcações, me passou, beleza, tudo certo. Pego o exemplar impresso, está lá: "ele se engasgava, tossia e cuspia o catarro na pequena fornalha que ardia em nossa sala de estar". Aaaaahnnnn? Não acreditei quando vi isso. E fiquei ainda mais perplexa ao pensar que a pretensa revisão teria lido todo o livro, poucas páginas adiante estaria descrito o miserê do ambiente e o mínimo a fazer, depois dessa intervenção tão maluca, seria voltar atrás e cancelar aquela sala de estar com fornalha e tudo, naquela isbá pequeno-burguesa criada por uma fértil imaginação.

Avisei a editora, a qual também ficou perplexa, disse que só haviam feito as alterações autorizadas por mim, que não fazia ideia de onde tinha saído aquilo e que a editora assumiria toda a responsabilidade. Mas é por essas e outras que tenho lá minhas dúvidas quanto a esse tipo de revisão.

imagem: aqui

27 de jan de 2012

o caso de robinson crusoe

imagem: aqui

a extinta editora w. m. jackson resolveu lançar em 1947 uma coleção chamada "grandes romances universais", cujo primeiro volume foi robinson crusoé, de daniel defoe, em tradução integral feita por flávio poppe de figueiredo e costa neves, "canônica", segundo o crítico literário alfredo monte.



a jackson lançou várias reedições: em 1950, 1952, 1959, 1963... em c.1966, a ediouro (que se chamava então edições de ouro) obteve licença da jackson para publicar essa obra em sua coleção "clássicos de bolso":


depois ela andou meio sumidinha. reapareceu em 1999 na editora martin claret, quando ainda não havia adotado aquelas capas espantosas que tanto vieram a celebrizá-la:


e lá continua até hoje, n reedições depois, algumas integrais, outras não (2000, 2001, 2002, 2003, 2005, 2007, 2008, 2010, 2011), com isbn 8572323570. 


o problema é o seguinte: "copyright desta tradução: martin claret, 2000"? entrei em contato com a filha de poppe de figueiredo (falecido em 1974), a qual afirma que jamais ela ou seus irmãos licenciaram a tradução paterna para a martin claret, e muitíssimo menos lhe transferiram o copyright da obra:


e aparentemente é esta obra que não só constitui uma contrafação, mas apropriação indevida de um copyright que não lhe pertence, que está inscrita no cadastro nacional do livro de baixo preço, no programa da fundação biblioteca nacional:


pois ou bem os direitos dessa tradução pertencem aos herdeiros de poppe e costa neves, ou bem integram nosso patrimônio de domínio público. não dá é para deixar que terceiros não legitimados se apropriem dela por seus interesses comerciais privados.


exclusão de títulos ou de editores?

1. se, por um lado, fico satisfeita em ver que a fundação biblioteca nacional começa a tomar alguma providência em relação às muitas dezenas de obras francamente irregulares que a editora martin claret inscreveu no cadastro nacional do livro de baixo preço,
2. por outro lado fico perplexa que ela tenha determinado que "todas as obras que, por qualquer motivo, infrinjam a legislação em vigor serão excluídas do Cadastro", e só.

veja a notícia aqui: https://conteudoclippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2012/1/26/fbn-investigara-denuncias-de-irregularidades

pois, se lermos o edital de chamada pública da fbn, publicado no d.o.u. em 01/12/2011, temos lá que a habilitação dos editores no programa do livro popular depende obrigatoriamente da legalidade e autenticidade dos dados dos livros que inscrevem no programa; temos que a habilitação dos editores para o portal do livro também depende obrigatoriamente da legalidade e autenticidade dos dados dos livros. por três vezes, em três itens, é especificado que os editores declaram que os livros inscritos não violam qualquer princípio legal vigente: tanto para a habilitação geral dos editores (4.1.6), quanto para a inscrição dos títulos (4.3.3), quanto para a habilitação específica no portal do livro (6.1.6).

para que os livros de um editor sequer possam ser aceitos para figurar no portal do livro, ele deve garantir "a autenticidade e atualização dos dados" e declarar que os livros não violam nenhum princípio legal vigente: ou seja, nos termos do edital da fbn, se o editor não é capaz de dar tal garantia, ele não está habilitado a participar seja do programa do livro, seja do portal do livro.

não é possível que, perante provas e indícios incontestáveis e a declaração da própria editora admitindo a existência de fraudes entre as obras que inscreveu no programa e no portal, a fbn se contente em excluir os títulos irregulares - é a editora que está violando os termos do edital, e é ela que deve ser excluída do programa, ficando ainda sujeita a "responder civil e criminalmente pelas informações prestadas no portal" perante a fbn (4.2.1, edital de 14/10/2011).

pode ser que no caso da editora escala e da editora pillares, cada qual com uma ocorrência de irregularidade constatada entre os livros inscritos, talvez até coubesse apenas a exclusão da obra e uma carta de advertência às editoras. mas no caso de uma editora com pelo menos 70 obras irregulares, com admissão pública da violação dos termos do edital, demonstrando conduta sistemática e consciente má fé, chega a ser um escárnio que a fbn anuncie a mera exclusão dos títulos irregulares.

os editais se encontram disponíveis no portal da biblioteca nacional, aqui: http://www.bn.br/portal/

acompanhe o imbróglio aqui: http://naogostodeplagio.blogspot.com/search/label/FBN

26 de jan de 2012

fbn começa a tomar providências

acabo de ler a seguinte notícia:


FBN investigará denúncias de irregularidades

Autor(es): agência o globo:Guilherme Freitas
O Globo - 26/01/2012
Fundação Biblioteca Nacional (FBN) vai instituir uma comissão para avaliar acusações de irregularidades no Cadastro Nacional de Livros de Baixo Preço, criado para ampliar e renovar o acervo das bibliotecas públicas do país. Como noticiou O GLOBO no sábado, a tradutora Denise Bottmann denunciou à Procuradoria Geral da República que obras incluídas no programa, a maior parte delas inscrita pela editora Martin Claret, seriam traduções suspeitas de plágio.
A comissão, composta por servidores da FBN e membros de seu Conselho Interdisciplinar de Pesquisa e Editoração, terá 15 dias para analisar as denúncias. Segundo a FBN, "todas as obras que, por qualquer motivo, infrinjam a legislação em vigor serão excluídas do Cadastro".
Responsável pelo Departamento Editorial da Martin Claret, Taís Gasparetti afirmou, em entrevista por e-mail em 19/01, que, devido a denúncias feitas nos últimos anos, a editora decidira substituir as traduções "que tiveram plágio confirmado". Após a publicação da reportagem, Taís procurou o jornal para afirmar que "nunca houve uma comprovação de existência de plágio e, em virtude das denúncias, a editora optou por iniciar a troca das traduções antes de minha entrada no segundo semestre de 2011".
https://conteudoclippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2012/1/26/fbn-investigara-denuncias-de-irregularidades


25 de jan de 2012

abusos contra o domínio público

Para além dos plágios de tradução - isto é, apropriação de tradução alheia e substituição dos créditos legítimos de sua autoria por créditos espúrios;
Para além das contrafações - isto é, apropriação de tradução alheia, mantendo os créditos legítimos, mas sem autorização dos detentores dos direitos sobre aquela obra de tradução;
Para além da apropriação indevida dos direitos autorais de obras legítimas de tradução - isto é, dando os créditos legítimos, mas arrogando ilegitimamente a si o copyright da tradução;

Há um outro procedimento utilizado frequentemente pela Editora Martin Claret: são os casos em que as obras de tradução já estão em domínio público (seja por decurso do prazo normal de proteção dos direitos patrimoniais privados, seja por se tratar de obras órfãs e abandonadas), mas a editora as publica tomando a si um suposto copyright sobre algo que, de direito, já pertenceria a toda a sociedade.

Exemplos:




a tradução de poppe de figueiredo e costa neves, classicíssima, saiu pela jackson em 1947. depois do fechamento da jackson, a ediouro passou a publicá-la. que o copyright da tradução pertença à martin claret parece-me de uma improbabilidade única.

aliás, desde 2001 o crítico literário alfredo monte tem divulgado os problemas que infirmam essa edição da martin claret: veja-se seu artigo "clássicos têm traduções dúbias", aqui.

a tradução d'a autobiografia de benjamin franklin, feita pelo português sarmento de beires, com josé duarte, saiu em 1950 pela coleção de clássicos da extinta editora jackson. não consigo imaginar como o copyright dela teria ido parar nas mãos da editora martin claret.

já a tradução de c. m. fonseca d'a conduta da vida, de ralph waldo emerson, cujo título, aliás, nem consta na página de créditos da editora, saiu em 1940 pela extinta brasil editora. também ela me parece mais um típico caso de obra abandonada - portanto, em domínio público, e não consigo imaginar como a editora martin claret pode legitimamente arrogar a si o copyright sobre ela.

já em março de 2009 apontei vários casos do mesmo gênero, em raposices e chacalices, aqui, e em mais chacalices, aqui.

robinson crusoe, autobiografia de benjamin franklin e a conduta para a vida, com essas inexplicáveis autoatribuições de copyright à editora martin claret, estão inscritos no cadastro nacional do livro de baixo preço, mantido pela fundação biblioteca nacional, dentro de seu programa do livro popular.


como pode?

Em 15 de dezembro de 2010, com publicação no D.O.U. em 05 de janeiro de 2011, a Procuradora da República Dra. Adriana Zawada Melo determinou a instauração de inquérito para apurar irregularidades de publicações da Editora Martin Claret. Transcrevo a portaria:

PORTARIA No- 694, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2010

Representação nº 1.34.001.002410/2009-98. 
Assunto: PATRIMÔNIO PÚBLICO.

Notícia de publicação de traduções de obras feitas por Monteiro Lobato atribuídas a outros autores, pela Editora Martin Claret.

O Ministério Público Federal, pela Procuradora da República subscritora da presente,

CONSIDERANDO os elementos constantes do Procedimento Preparatório nº 1.34.001.002410/2009-98, em que se apura se traduções de obras feitas por Monteiro Lobato foram atribuídas a outros autores, em publicações da Editora Martin Claret;

Resolve, com fundamento no artigo 129, III da Constituição Federal, bem como artigos 6º, inciso VII, alínea "b" e 7º, inciso I, ambos da Lei Complementar nº 75/93, instaurar INQUÉRITO CIVIL PÚBLICO, determinando:

a) o registro e a autuação da presente Portaria, procedendose às anotações de praxe;
b) a comunicação à 4ª Câmara de Coordenação e Revisão do Ministério Público Federal - 4ª CCR, nos termos do artigo 6º, da Resolução nº 87, de 03 de agosto de 2006, do Conselho Superior do Ministério Público Federal;
c) determino que os autos sejam encaminhados para o núcleo pericial para elaboração de Parecer Técnico pelo perito em Antropologia..

ADRIANA ZAWADA MELO
Procuradora da República

Não saiu ainda nenhuma "decisão judicial com trânsito em julgado", porém o MPF considerou que os elementos apresentados na denúncia eram suficientes para determinar a apuração das irregularidades apontadas. Todavia, essas mesmas obras sob inquérito foram inscritas pela Editora Martin Claret no Cadastro Nacional do Livro de Baixo Preço, na FBN:


8857232263LOBO DO MAR,OJACK LONDON
 

COTEJO AQUI: http://naogostodeplagio.blogspot.com/2009/03/mais-um-lobato-clareteado.html


8857232364LIVRO DA JANGAL, ORUDYARD KIPLING




24 de jan de 2012

frase do mês

Palavras do crítico literário Alfredo Monte: "Martin Claret é como o comandante do Costa Concordia, levando o leitor incauto para as águas perigosas e desastrosas da fraude e do logro." Aqui.
.

comunicado de alerta da PUC-Rio

O Portal da Cátedra Unesco de Leitura da PUC-Rio alerta em comunicado de primeira página de seu site:
Comunicação

notícias | cadastro nacional de livros de baixo preço tem obras suspeitas de plágio

O recém-lançado Cadastro Nacional de Livros de Baixo Preço, que visa ampliar e renovar o acervo das bibliotecas públicas do país, inclui obras suspeitas de serem traduções plagiadas. A denúncia foi encaminhada à Procuradoria Geral da República nesta semana pela tradutora Denise Bottmann, que enumerou vários casos. A maior parte deles envolve livros da Editora Martin Claret. Denise publicou em seu blog uma lista de obras suspeitas, comparando-as com as versões originais. Entre os livros citados estão O médico e o monstro, de Robert Louis Stevenson, O lobo do mar, de Jack London, e A mulher de trinta anos, de Balzac,todos com traduções atribuídas a Pietro Nassetti e denunciadas há anos como plágio. A Fundação Biblioteca Nacional (FBN), criadora do cadastro, alega que, para que um livro seja excluído, “é preciso que tenha sido objeto de ação judicial, com trânsito em julgado, que tenha determinado o impedimento de circulação das obras”. A Responsável pelo departamento editorial da Martin Claret, Taís Gasparetti afirma que, devido às denúncias dos últimos anos, a editora está substituindo, desde o segundo semestre de 2011, as traduções confirmadas como plágio.




acompanhe o imbróglio das fraudes inscritas no programa do livro popular e o imobilismo da FBN em relação às irregularidades, mesmo depois que a editora faltosa admitiu publicamente as irregularidades: http://naogostodeplagio.blogspot.com/search/label/FBN

consulta à fbn

acabo de enviar um e-mail à presidência da fundação biblioteca nacional e à sua coordenação de comunicação, que transcrevo abaixo:
prezado sr. clóvis horta: 
chegou ao meu conhecimento - como naturalmente deve ter chegado também ao dos srs. - que a editora Martin Claret admitiu publicamente que havia inscrito obras fraudadas no programa do livro popular e declarou que "pedirá à FBN que remova temporariamente do cadastro os títulos cujas novas traduções ainda não estão prontas.", em http://clippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2012/1/21/programa-da-fbn-inclui-obras-suspeitas-de-plagio 
gostaria de saber se essa solicitação da editora já chegou às mãos dos senhores e se, mediante tal solicitação da própria editora, a FBN se sentirá legitimada para efetuar a remoção temporária dos títulos com plágios e contrafações de tradução inscritos no referido programa. 
como apontei no blog http://naogostodeplagio.blogspot.com, numa avaliação inicial cerca de 70 obras apresentam problemas quanto à sua idoneidade legal. 
agradeço 
atenciosamente,
denise bottmann


23 de jan de 2012

homenagem


em homenagem à nossa gloriosa fundação biblioteca nacional, incluí no alto da coluna à direita uma imagem que é um brandíssimo eufemismo de seu comportamento em relação às fraudes publicamente reconhecidas pela editora martin claret, e que nossa excelsa instituição tanto se orgulha em oferecer às pobres das 2.700 bibliotecas públicas que acreditam na lisura do programa do livro popular.

e lá permanecerá enquanto a digníssima fbn não se dignar a respeitar a dignidade verdadeira das bibliotecas públicas e seus leitores, que merecem bem mais.

imagem: aqui

a conivência se consumando

o risco de que a fbn comece a ser ativamente conivente com o problema das fraudes no programa do livro popular parece estar se concretizando. deu agora no twitter:

 Unidos da Doze 

Hoje escolhendo os livros de baixo custo. Valeu o poio da Fundação Biblioteca Nacional 

enquanto isso, a fundação biblioteca nacional continua a fechar os olhos à confissão pública da editora martin claret, admitindo que de fato inscreveu dezenas e dezenas de obras fraudadas no programa do livro popular.


fbn exerce seu direito de resposta

A Fundação Biblioteca Nacional, no exercício de seu legítimo direito de resposta à matéria veiculada no Jornal Corporativo em 20/01 p.p., indicada aqui, teve publicados seus esclarecimentos no mesmo órgão de imprensa, no seguinte link:
http://www.jornalcorporativo.com.br/direito/item/14754-fbn-nega-responsabilidade-sobre-falhas-em-programa.html

Transcrevo na íntegra a matéria do Jornal Corporativo de 20/01/12, link aqui:

Tradutora denuncia obras ilegais na Biblioteca Nacional

    Há irregularidades em cadastros de livros de baixo custo

    Da Redação
    A tradutora Denise Bottmann, uma das responsáveis pela tradução da biografia do empresário Steve Jobs, fez uma denúncia à Procuradoria Geral da República sobre as irregularidades (contrafações e plágios de obras de tradução) inscritas no cadastro nacional do livro de baixo preço na Fundação Biblioteca Nacional (FBN).
    O programa da FBN oferece cerca de 2.700 bibliotecas públicas estaduais, municipais, comunitárias, rurais e tem mais de 10 mil títulos inscritos no Cadastro Nacional de Livros de Baixo Preço. O problema é que, segundo Bottmann, dezenas de obras vêm sendo vendidas com autorias ilegítimas.
    De acordo com a denúncia, editoras, como a Martin Claret, Escala e Pillares, cadastraram diversos livros com falsas autorias, inclusive com problemas de depósitos no acervo.
    Na quinta-feira, o Ministério Público Federal do Rio de Janeiro encaminhou um e-mail para Bottmann, afirmando que tomaria as providências cabíveis para solucionar o caso.
    Denise contou que enviou à FBN uma lista com várias obras de tradução sob suspeita e se prontificou a fornecer provas apontando as irregularidades, mas a Biblioteca Nacional afirmou que será difícil resolver os problemas, já que o regulamento do programa é vago e deixa abertura para falhas. Para a tradutora, a FBN não pensou em contemplar a comprovação da legitimidade dos direitos de publicação das obras.


    Transcrevo na íntegra a resposta da FBN no Jornal Corporativo em 23/01/12, e repito o link aqui:

    FBN nega responsabilidade sobre falhas em programa

      Denise Bottmann denunciou à Procuradoria Geral obras com autoria de tradução irregular na Biblioteca Nacional

      Da Redação
      Na edição única de sexta-feira, sábado e domingo, o Jornal Corporativo publicou denúncia da tradutora Denise Bottmann sobre a ocorrência de plágios de tradução em obras inscritas no Cadastro Nacional do Livro de Baixo Preço da Fundação Biblioteca Nacional (FBN). Na matéria “Tradutora denuncia obras ilegais na Biblioteca Nacional”, foi apurado que dezenas de obras vêm sendo vendidas com autorias ilegítimas.
      De acordo com a tradutora, editoras, como a Martin Claret, Escala e Pillares, cadastraram diversos livros com falsas autorias, inclusive com problemas de depósitos no acervo. Denise Bottmann fez na quinta-feira uma denúncia à Procuradoria Geral da República sobre as contrafações e plágios de obras de tradução inscritas no programa.
      Em resposta enviada à redação do jornal, a FBN negou responsabilidade sobre autoria das obras publicadas no programa e afirmou, também, nunca ter dito à tradutora responsável pela apuração das ilegalidades e pelas provas de obras espúrias, que seria difícil resolver tais irregularidades.
      A Biblioteca Nacional revelou ainda em nota que “para excluir qualquer título inscrito no Cadastro de Livros de Baixo Preço, é preciso que este tenha sido objeto de ação judicial, com trânsito em julgado, que tenha determinado o impedimento de circulação das obras. Caso contrário, estaremos agindo, aos olhos da Lei, de forma arbitrária”.

      Carta da FBN na íntegra

      A FBN NUNCA disse isso à Sra Denise Bottmann, a qual respeitamos muito pelo seu trabalho e empenho pela legitimidade da literatura. Segue abaixo a nota de esclarecimento que encaminhamos. É preciso ter muito cuidado e respçonsabilidade quando se publica informações com uma só voz.
      ESCLARECIMENTOS
      Sobre as questões envolvendo os títulos cadastrados no Programa de Atualização e Ampliação de Acervos de Bibliotecas de Acesso Público, a Fundação Biblioteca Nacional gostaria de esclarecer que:
      1) Não é função da Fundação Biblioteca Nacional definir o que pode e o que não pode ser posto no mercado. Qualquer cerceamento ao livre direito de expressão pode, e deve ser encarado como ato de censura.
      2) Para que possamos excluir qualquer título inscrito no Cadastro de Livros de Baixo Preço, é preciso que este tenha sido objeto de ação judicial, com trânsito em julgado, que tenha determinado o impedimento de circulação das obras. Caso contrário, estaremos agindo, aos olhos da Lei, de forma arbitrária.
      3) Neste sentido, havendo sentença judicial, transitada em julgado, referente a qualquer um dos livros citados ou inscritos no Programa, solicitamos que seja encaminhada para que possamos tomar as medidas cabíveis contra a editora que os cadastrou. Lembramos que o edital determina que os editores se responsabilizem por todos os aspectos legais que envolvem a produção dos livros inscritos.
      6. CRITÉRIOS DE HABILITAÇÃO DOS EDITORES NO PORTAL DO LIVRO da BN
      6.1.Para terem seus livros aptos a serem escolhidos pelas Bibliotecas beneficiárias, as Editoras deverão garantir:
      6.1.6.Declarar, no Portal do Livro da BN, que reconhece e aceita os termos do presente edital, e que os livros que inscreve não violam qualquer princípio legal vigente;
      Atenciosamente
      Fundação Biblioteca Nacional

      Agradeço a gentil apreciação da FBN sobre meu trabalho, e fico contente que ela entenda que meus alertas são objetivos e fundamentados. Concordo plenamente que a FBN não tem qualquer "responsabilidade sobre autoria das obras publicadas no programa", e creio que ninguém jamais afirmou algo sequer remotamente parecido com isso. E de fato a FBN jamais me disse "que seria difícil resolver tais irregularidades".

      Na verdade, em momento algum a FBN sequer admitiu a possibilidade de verificar se havia alguma irregularidade, conforme eu a alertara em 17/01, por telefone e por e-mail: apenas respondeu que era um assunto que não lhe competia, remetendo-o para a esfera do judiciário - como se evidencia em sua resposta acima transcrita no Jornal Corporativo e no email que me enviou no mesmo dia 17/01, que divulguei neste blog. (Que a redação do jornal tenha concluído que seria "difícil resolver tais irregularidades", parece-me uma ilação mais do que legítima em vista da demora na tramitação de processos em nosso judiciário, e parece-me até gentil da parte do jornal: poderia ter questionado a omissão da FBN, por exemplo...) De qualquer forma, o que me surpreende é que a FBN mantenha sua posição olímpica mesmo depois que a Editora Martin Claret admitiu publicamente suas irregularidades, em matéria do jornal O Globo, em 21/01/12, na íntegra aqui.

      Mas continuo sem entender por que a FBN renuncia a exercer o direito que se reservou no item 16.2 das Disposições Gerais do Edital, que lhe faculta solicitar informações e documentos, inclusive por e-mail, sem necessidade de proceder a uma convocação que exija publicação oficial. Pois afinal, como consta no edital: "5.4.1.Os editores inscritos são responsáveis, civil e criminalmente pelo cadastramento de seus livros, e devem indicar, em campo específico do formulário, que possuem todos os direitos autorais dos livros inscritos, contratos de edição e documentos conexos, em plena vigência e em situação regular, nos termos da legislação vigente". Qual é o problema, então, em exercer seu direito plenamente assegurado no item 16.2 para pedir encaminhamento dos contratos de edição e documentos conexos com vistas a garantir a lisura do programa? Por que se obstinar em tão flagrante desserviço a um programa que teria tudo para ser excelente?


      acompanhe esse terrível imbróglio:
      .

      Inscrições da L&PM excluídas do cadastro nacional da FBN?

      Ontem, a título de curiosidade, eu queria saber quais eram as editoras inscritas no Cadastro Nacional do Livro de Baixo Preço, na FBN, para aquisição de 2.700 bibliotecas públicas. Não encontrei nenhuma listagem com os nomes das editoras, e assim fui pesquisando na lista dos livros inscritos, pelo filtro do nome da editora. A consulta pode ser feita aqui: http://sistemas.conectait.com.br:8097/bn/publico/listaLivros

      A Editora Martin Claret, que admitiu ao jornal O Globo que inscreveu dezenas de fraudes nesse cadastro nacional, está com 407 livros inscritos.

      Fiz uma busca meio aleatória por nomes de editoras, conforme ia lembrando alguns nomes, só como uma espécie de amostragem e para ter uma ideia da quantidade média de livros inscritos.

      Abril, 47
      Ática, 103
      Best Seller, 3
      Cortez, 224
      Ediouro, 27
      Escala, 484
      FTD, 43
      Gente, 11
      Globo, 85
      Leya, 47
      Martin Claret, 407
      Melhoramentos, 245
      Moderna, 40
      Nova Fronteira, 7
      Novo Conceito, 56
      Objetiva, 71
      Panda, 58
      Peirópolis, 18
      Pensamento/Cultrix, 137
      Pillares, 60
      Record, 149
      Rideel, 228
      Rocco, 47
      Sextante, 74
      SM, 9
      Universidade Falada, 92
      Universo dos Livros, 165
      Vozes, 53
      Zahar, 192

      Várias editoras não se inscreveram, por exemplo Companhia das Letras e Cosac Naify.
      Mas minha maior surpresa ficou por conta da L&PM: buscando no filtro por editoras, o campo acaba de se preencher automaticamente como "L±" (note-se o detalhinho do ponto-e-vírgula), e o resultado que se tem é:


      Achei bizarro - sei que a L&PM está inscrita porque vi alguns títulos seus quando pesquisava alguns autores pelo filtro "Autor", por exemplo Balzac:



      A coisa fica ainda mais maluca, pois, mesmo que conste um Balzac da L&PM na consulta, se você pedir o autor Balzac pela L&PM, o resultado é o seguinte:


      Mesmo copiando o nome conforme consta na consulta por autor, o resultado é zero:


      Como a escolha das bibliotecas quanto aos livros que querem adquirir passa também pela consulta desses registros, estou começando a achar tudo isso muito esquisito.

      Sinceramente, dona L&PM, a senhora pode até preferir manter distância de uma editora com um histórico de irregularidades meio complicado,  mas deixar passar batido esse sumiço de sua própria inscrição me parece meio demais.


      Acompanhe esse terrível imbróglio, que está se revelando cada vez mais assustador, aqui:


      Outra pergunta é: esse pequeno lapso, digamos assim, ocorreu apenas com os livros inscritos pela L&PM ou outras editoras também tiveram esse problema na visualização oferecida no site da FBN?

      atualização: um leitor sugere que talvez o problema seja o & do nome L&PM. até pode ser, mas aí não é problema meu nem das 2.700 bibliotecas públicas consulentes que começaram a escolher as obras para seus acervos desde o dia 13/01. cabe à l&pm conferir sua inscrição e à fbn oferecer uma listagem que preste.



      22 de jan de 2012

      MARTIN CLARET NA FBN/ PROGRAMA DAS BIBLIOTECAS PÚBLICAS V - CONCLUSÃO

      como expliquei em post anterior, há obras de tradução no catálogo da martin claret que não consultei ao vivo nem fiz cotejos, mas que, pelo histórico de seus pretensos tradutores pietro nassetti, "alex marins" e "jean melville", despertam dúvidas sobre sua idoneidade. concluindo o levantamento das obras inscritas pela editora martin claret no programa de atendimento às bibliotecas públicas, no cadastro nacional do livro de baixo preço, eis mais algumas :


      8857232619MANDRAGORA, A / BELFAGOR, O ARQUIDIABOAQUIAVEL



      8857232418MANIFESTO DO PARTIDO COMUNISTAMARX & ENGELS



      8857232475MANUSCRITOS ECONOMICOS-FILOSOFICOSRL MARX



      8857232469MEDITACOESMARCO AURELIO


      Aliás, sobre essas Meditações  de Marco Aurélio, um leitor deu contribuições muito sugestivas, que parecem indicar que a fonte seria a tradução de Lúcia Miguel-Pereira, 1957. Veja aqui: http://naogostodeplagio.blogspot.com/2010/03/meditacoes-madras.html


      8857232510MEMORIAS DE SHERLOCK HOLMESSIR ARTHUR CONAN DOYLE


      Aliás, já fiz o cotejo desse "John Green", que é mais uma das peças raras da Claret, aqui: http://naogostodeplagio.blogspot.com/2009/02/essa-eu-nao-entendi.html


      8857232359METAMORFOSE, A / UM ARTISTA DA FOME / CARTA AO PAIFRANZ KAFKA

      Autor:Kafka, Franz,clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes 1883-1924.
      Título original:[Die Verwandlung. Português]
      Título / Barra de autoria:A metamorfose ; Um artista da fome ; Carta a meu pai / Franz Kafka ; tradução: Pietro Nassetti, Torrieri Guimarães. -
      Imprenta:São Paulo : M. Claret, 2005. 
      Descrição física:136p. : il. ; 19cm. -
      Série:(A obra-prima de cada autor ; 21)
      Notas:Tradução de: Die Verwandlung ; Ein Hungerkünstler ; Brief an der Vater.
      ISBN:8572323597 (broch.)
      Assuntos:Kafka, Franz,clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes 1883-1924 - Correspondência.
      Kafka, Hermann.clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes
      Ficção austríaca.clique aqui para ver as obras sob este assunto no Catálogo de Autoridades de Assuntos
      Cartas austríacas.clique aqui para ver as obras sob este assunto no Catálogo de Autoridades de Assuntos
      Escritores austríacos -clique aqui para ver as obras sob este assunto no Catálogo de Autoridades de Assuntos Correspondência. 
      Entradas secundárias:Kafka, Franz,clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes 1883-1924. Ein Hungerkünstler. Português
      Kafka, Franz,clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes 1883-1924. Brief an der Vater. Português
      Nassetti, Pietro.clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes
      Guimarães, Torrieri,clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes 1933-2009. 
      Títulos variantes:Um artista da fome.
      Carta a meu pai. 
      Classificação Dewey:
      Edição:
      At838
      22 
      Indicação do Catálogo:VI-411,5,22 
      Registro Patrimonial:1.135.518 DL 08/03/2006 


      Este é um caso bizarro, pois supostamente a editora teria retirado de circulação e substituído por uma tradução legítima, após intimação judicial da Companhia das Letras. Pela referência do ISBN dada na inscrição da obra, é ainda a mesmíssima fraude de Metamorfose em nome de Pietro Nassetti.


      8857232649NOITES BRANCAS E OUTRAS HISTORIASDOSTOIEVSKI

      Autor:Dostoievski, Fiodor,clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes 1821-1881.
      Título original:[Bielie notchi. Português]
      Título / Barra de autoria:Noites brancas e outras histórias / Dostoiévski ; tradução: Isa Silveira Leal. -
      Imprenta:São Paulo : M. Claret, 2006. 
      Descrição física:191p. : il. ; 19cm. -
      Série:(A obra-prima de cada autor ; 186)
      Notas:Tradução de: Bielie notchi.
      ISBN:8572326499 (broch.)
      Assuntos:Ficção russa.clique aqui para ver as obras sob este assunto no Catálogo de Autoridades de Assuntos 
      Entradas secundárias:Leal, Isa Silveira,clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes 1910- 
      Classificação Dewey:
      Edição:
      891.73
      22 
      Indicação do Catálogo:VI-411,7,30 
      Registro Patrimonial:1.134.926 DL 24/02/2006 

      Este é outro caso bizarro: a tradução atribuída a Isa Silveira Leal é idêntica à de Ruth Guimarães. Veja aqui e aqui.


      9788572325204OUTRAS HISTORIASDOSTOIEVSKY
      Este número é um absurdo: o sequencial 520 teria o CV 2 - corresponde a:


      e não existe nenhuma obra de dostoiévski chamada outras histórias em edição da martin claret na bn.


      8857232456POLITICAARISTOTELES

      Autor:Aristóteles.clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes
      Título / Barra de autoria:Política : texto integral / Aristóteles ; tradução: Pedro Constantin Tolens. -
      Edição:5. ed. -
      Imprenta:São Paulo : M. Claret, 2008. 
      Descrição física:283p. ; 19cm. -
      Série:(A obra-prima de cada autor ;61)
      Notas:Tradução do original em grego.
      BNB 02/09 
      ISBN:8572324569 (broch.)
      Assuntos:Ciência política -clique aqui para ver as obras sob este assunto no Catálogo de Autoridades de Assuntos Obras anteriores a 1800. 
      Entradas secundárias:Tolens, Pedro Constantin.clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes 
      Títulos de série:A obra-prima de cada autor (M. Claret) ; 61 
      Classificação Dewey:
      Edição:
      320.01
      22 
      Indicação do Catálogo:ANEXO II-811,6,43 
      Registro Patrimonial:1.253.188 DL 31/03/2009 


      são tão raros os classicistas entre nós, mesmo entre filósofos e historiadores da filosofia, que valeria a pena examinar melhor a tradução direta do grego de pedro tolens, cujas únicas ocorrências no google remetem exclusivamente a essa edição da martin claret.


      8857232548PRINCIPE E O MENDIGO, OMARK TWAIN

      Autor:Twain, Mark,clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes 1835-1910.
      Título original:[The prince and the pauper. Português]
      Título / Barra de autoria:O príncipe e o mendigo : uma história para crianças de todas as idades / Mark Twain ; tradução: Alex Marins. -
      Imprenta:São Paulo : M. Claret, 2005. 
      Descrição física:192p. ; 19cm. -
      Série:(A obra-prima de cada autor ; 112)
      Notas:Tradução de: The prince and the pauper.
      ISBN:8572325484 (broch.)
      Assuntos:Ficção americana.clique aqui para ver as obras sob este assunto no Catálogo de Autoridades de Assuntos 
      Entradas secundárias:Marins, Alex.clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes 
      Classificação Dewey:
      Edição:
      813
      22 
      Indicação do Catálogo:VI-411,6,35 
      Registro Patrimonial:1.135.504 DL 08/03/2006 



      8857232553PROFETA, OKHALIL GIBRAN

      Autor:Gibran, Kahlil,clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes 1883-1931.
      Título original:[The prophet. Português]
      Título / Barra de autoria:O profeta / Khalil Gibran ; tradução: Pietro Nassetti. -
      Imprenta:São Paulo : M. Claret, 2006. 
      Descrição física:128p. : il. ; 19cm. -
      Série:(A obra-prima de cada autor ; 165)
      Notas:Tradução de: The prophet.
      ISBN:8572325530 (broch.)
      Assuntos:Ficção libanesa.clique aqui para ver as obras sob este assunto no Catálogo de Autoridades de Assuntos 
      Entradas secundárias:Nassetti, Pietro.clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes 
      Classificação Dewey:
      Edição:
      L892.73
      22 
      Indicação do Catálogo:VI-411,7,9 
      Registro Patrimonial:1.136.292 DL 13/03/2006 


      8857232601PROMETEU ACORRENTADOESQUILO

      Autor:Ésquilo.clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes
      Título original:[Prometeu acorrentado. Português]
      Título / Barra de autoria:Prometeu acorrentado / Ésquilo ; tradução: J. B. Mello e Souza. -
      Imprenta:São Paulo : M. Claret, 2004. 
      Descrição física:107p. ; 19cm. -
      Série:(A obra-prima de cada autor ; 193)
      Notas:Tradução do original em grego.
      ISBN:8572326014 (broch.)
      Classificação Dewey:
      Edição:
      882
      22 
      Indicação do Catálogo:VI-411,7,37 
      Registro Patrimonial:1.135.255 DL 07/03/2006 


      não tenho muita certeza se os herdeiros de mello e souza licenciaram o uso desta tradução; se o fizeeram, por que consta que a editora é a detentora do copyright dela?


      8857232422REGRAS DO METODO SOCIOLOGICO, ASMILE DURKHEIM

      Autor:Durkheim, Émile,clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes 1858-1917.
      Título original:[Les régles de la méthode sociologique. Português]
      Título / Barra de autoria:As regras do método sociológico / Émile Durkheim ; tradução: Pietro Nassetti. -
      Imprenta:São Paulo : M. Claret, 2006. 
      Descrição física:157p. ; 19cm. -
      Série:(A obra-prima de cada autor ; 63)
      Notas:Tradução de: Les régles de la méthode sociologique.
      ISBN:8572324224 (broch.)
      Assuntos:Sociologia -clique aqui para ver as obras sob este assunto no Catálogo de Autoridades de Assuntos Metodologia. 
      Classificação Dewey:
      Edição:
      301.01
      22 
      Indicação do Catálogo:VI-411,5,63 
      Registro Patrimonial:1.135.377 DL 07/03/2006 


      8857232279RETRATO DE DORIAN GRAY, OOSCAR WILDE

      Autor:Wilde, Oscar,clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes 1854-1900.
      Título original:[The picture of Dorian Gray. Português]
      Título / Barra de autoria:O retrato de Dorian Gray / Oscar Wilde ; tradução: Pietro Nassetti. -
      Imprenta:São Paulo : M. Claret, 2006. 
      Descrição física:189p. ; 19cm. -
      Série:(A obra-prima de cada autor ; 12)
      Notas:Tradução de: The picture of Dorian Gray.
      ISBN:8572322795 (broch.)
      Assuntos:Ficção irlandesa.clique aqui para ver as obras sob este assunto no Catálogo de Autoridades de Assuntos 
      Entradas secundárias:Nassetti, Pietro.clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes 
      Classificação Dewey:
      Edição:
      Ir823
      22 
      Indicação do Catálogo:VI-411,5,13 
      Registro Patrimonial:1.135.013 DL 02/03/2006 



      8857232673SENSO COMUMTHOMAS PAINE


      a única ocorrência a "pedro paulo martinez" tradutor no google é a esta edição. valeria a pena dar uma olhada na tradução de aldo della nina que saiu em 1964 pela extinta ibrasa.

      ULTIMO ADEUS A SHERLOCK HOLMES, O

      Autor:Doyle, Arthur Conan,clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes Sir, 1859-1930.
      Título original:[His last bow. Português]
      Título / Barra de autoria:O último adeus de Sherlock Holmes / Arthur Conan Doyle ; tradução: Alex Marins. -
      Imprenta:São Paulo : M. Claret, 2004. 
      Descrição física:195p. : il. ; 19cm. -
      Série:(A obra-prima de cada autor ; 133)
      Notas:Tradução de: His last bow.
      ISBN:8572325891 (broch.)
      Assuntos:Ficção inglesa.clique aqui para ver as obras sob este assunto no Catálogo de Autoridades de Assuntos 
      Entradas secundárias:Marins, Alex.clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes 
      Classificação Dewey:
      Edição:
      823
      22 
      Indicação do Catálogo:VI-411,6,61 
      Registro Patrimonial:1.135.505 DL 08/03/2006 

      deste sherlock até fiz recentemente um cotejo com a tradução de álvaro pinto de aguiar, melhoramentos (1955). não deu outra: http://naogostodeplagio.blogspot.com/2011/11/quem-dera-fosse-outro-ultimo-adeus.html


      8857232471UM ESTUDO EM VERMELHOSIR ARTHUR CONAN DOYLE

      Autor:Doyle, Arthur Conan,clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes Sir, 1859-1930.
      Título original:[A study in scarlet. Português]
      Título / Barra de autoria:Um estudo em vermelho : uma aventura de Sherlock Holmes / Sir Arthur Conan Doyle ; tradução: Jean Melville. -
      Imprenta:São Paulo : M. Claret, 2005. 
      Descrição física:125p. ; 19cm. -
      Série:(A obra-prima de cada autor ; 69)
      Notas:Tradução de: A study in scarlet.
      ISBN:8572324712 (broch.)
      Assuntos:Ficção inglesa.clique aqui para ver as obras sob este assunto no Catálogo de Autoridades de Assuntos 
      Entradas secundárias:Melville, Jean.clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes 
      Classificação Dewey:
      Edição:
      823
      22 
      Indicação do Catálogo:VI-411,5,69 
      Registro Patrimonial:1.136.206 DL 13/03/2006 



      8857232365UTOPIA, ATHOMAS MORE

      Autor:More, Thomas,clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes Sir, Santo, 1478-1535.
      Título original:[De optimo publicae statu deque nova insula utopia. Português]
      Título / Barra de autoria:A utopia / Thomas More ; tradução: Pietro Nasseti. -
      Imprenta:São Paulo : M. Claret, 2005. 
      Descrição física:127p. ; 19cm. -
      Série:(A obra-prima de cada autor ; 40)
      Notas:Tradução de: De optimo publicae statu deque nova insula utopia.
      ISBN:8572323651 (broch.)
      Assuntos:Utopias.clique aqui para ver as obras sob este assunto no Catálogo de Autoridades de Assuntos 
      Classificação Dewey:
      Edição:
      335.02
      22 
      Indicação do Catálogo:VI-411,5,41 
      Registro Patrimonial:1.134.945 DL 24/02/2006 



      acompanhe abaixo o imbróglio das inscrições de obras espúrias no programa nacional do livro popular: