12 de fev de 2018

Brenno Silveira na Biblioteca do Leitor Moderno


Brenno Silveira teve dezesseis traduções publicadas na Biblioteca do Leitor Moderno, coleção publicada pela Civilização Brasileira entre 1961 e 1980. Duas delas já tinham lançadas anteriormente, fora da coleção, e uma foi feita em parceria.

Eis a relação das obras:

1. Graham Greene, Um caso liquidado, vol. 4, 1961
2. Morris West, O advogado do diabo, vol. 6, 1961
3. Vladimir Nabokov, A verdadeira vida de Sebastião Knight, vol. 7, 1961
4. F. Scott Fitzgerald, O grande Gatsby, vol. 18, 1962
5. F. Scott Fitzgerald, Este lado do paraíso, vol. 19, 1962
6. Henry James, Outra volta do parafuso, vol. 21, 1961
7. F. Scott Fitzgerald, Seis contos da era do jazz, vol. 25, 1962
8. Arnold Toynbee, Estudos de história contemporânea, vol. 27, 1961 (com Luiz de Senna)
9. Morris West, Filha do silêncio, vol. 31, 1962
10. William Faulkner, Os desgarrados, vol. 32, 1963
11. John Steinbeck, O inverno da nossa desesperança, vol. 33, 1963
12. Graham Greene, Os comediantes, vol. 78, 1966
13. Eugene Burdick, O mistério de Nina, vol. 81, 1967
14. A. Hotchner, Papa Hemingway, vol. 83, 1967
15. Franz Kafka, Metamorfose, vol. 102, 1969 (retomado de CB, 1956)
16. Vladimir Nabokov, Lolita, vol. 117, 1970 (retomado de CB, 1959)

Problemas de compatibilidade entre ano de edição e sequência da numeração dos volumes ocorrem com alguma frequência na BLM. Os dois casos ocorridos com as traduções de Brenno Silveira estão assinalados em vermelho.

Note-se que, a partir de 1967, ele deixa de colaborar com novas traduções na BLM, voltando a se concentrar em traduções para outras coleções da Civilização Brasileira.


Sobre as demais traduções de Brenno Silveira, veja aqui.
Sobre a Biblioteca do Leitor Moderno, aqui.
Sobre as traduções de Kafka no Brasil, aqui.
Sobre as traduções de Scott Fitzgerald no Brasil, aqui.
Sobre as traduções de William Faulkner no Brasil, aqui.
Sobre as traduções de Henry James no Brasil, aqui.
Sobre as traduções de Vladimir Nabokov no Brasil, aqui.


4 comentários:

  1. Julie14.2.18

    Boa noite! Vi que há alguns anos você fez uma comparação entre as diversas traduções da obra"o morro dos ventos uivantes". Gostaria de saber se você tem acesso há versão digitalizada da tradução de Oscar Mendes,pra editora Abril. Estou louca atrás dessa tradução, porém não acho nem à venda!

    ResponderExcluir
  2. olá, julie, tudo bem? não é difícil encontrar essa tradução do oscar mendes. consultei a estante virtual agorinha mesmo; há vários exemplares à venda. boa sorte!

    ResponderExcluir
  3. Saulo von Randow Júnior25.2.18

    Denise, interessante a sua escolha da obra "Outra Volta do Parafuso" (The Turn of the Screw) de Henry James. As opções de tradução do título, a exemplo do que aconteceu com você na tradução do "Ao Farol", em vez de "Rumo ao Farol" para expressar o original "To The Lighthouse", seriam bem diferentes, não fosse a influência que Borges (Jorge Luis) deu à escolha do título em espanhol (Otra vuelta de tuerca), ao comentar o assunto numa conversa com Ernesto Sabato :



    S.: -Vamos, Borges, no embrome. Y también se hablaba mucho de Stevenson. Eso de los silencios de Stevenson. Lo que calla a veces es más significativo que lo que expresa.

    B.: -Claro, los silencios de Stevenson… Y también Chesterton, Henry James… Se hablaba menos.



    S.: -Al que le interesaba mucho era a Pepe Bianco.

    B.: -Sí. El había traducido The Turn of the Screw. Mejoró el título, es cierto. ¿Otra vuelta de tuerca es superior a La vuelta de tuerca, no?

    S.: -Representa con más calidad la idea de la obra. Al revés que con ese libro de Saint-Exupéry llamado Terre des homes, traducido como Tierra de hombres. Como quien dice Tierra de machos, cuando lo que en realidad quiere significar (además lo dice literalmente) es Tierra de los hombres, la tierra de estos pobres diablos que viven en este planeta. No sólo ese traductor no sabe francés sino que no entendió nada de Saint-Exupéry.

    B.: -La enormidad de las traducciones… Hay un filme inglés cuyo título original, The Imperfect Lady, lo tradujeron aquí como La cortesana. Perdió toda la gracia, naturalmente…

    Fonte : https://www.infobae.com/tendencias/2016/12/17/el-dia-que-borges-y-sabato-se-sentaron-a-conversar/

    Precisamos de um tradutor com uma coragem como a sua, para trazer a lume uma tradução do título que consiga açambarcar seu real significado. Dá a sensação de que alguém está com "um parafuso solto", precisando dar umas apertadas.

    ResponderExcluir
  4. olá, caríssimo: uma vez comentei isso aqui: http://naogostodeplagio.blogspot.com.br/2012/04/o-parafuso-jamesiano.html
    antes de ser lançado o filme "os inocentes" - nome que acabou sendo adotado em algumas edições portuguesas e brasileiras posteriores -, uma edição lusitana se chamava "calafrio". não cobriria as duas ocorrências da expressão dentro da novela, e portugueses, afinal, têm essa facilidade de não se ater muito a títulos :-) lembrei-me agora, a propósito, do famoso "uma agulha no palheiro" - !!! - para the catcher in the rye, do salinger...

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.